Liberdade em “A Revolução dos Bichos”

“Os animais são todos iguais, mas uns são mais iguais que outros.”

George Orwell, A Revolução dos Bichos

A Revolução dos Bichos é um clássico. Hoje, sabemos disso, mas não foi nada fácil para George Orwell publicar o livro. No posfácio da edição lançada pela Companhia das Letras, traz alguns motivos que dificultaram o lançamento da obra:A revolucao dos bichos-02

Primeiro, pela denúncia que o livros fez ao regime de Stalin. Segundo o autor, ninguém estava disposto a comprar uma briga com os soviético. Orwell criou uma analogia daquele governo ao descrever uma fazenda onde os bichos eram dominados por um regime autoritário. Uma das coisas que mais incomodavam os editores eram as personagens dos Porcos que faziam referência ao ditador soviético. “Achavam muito ofensivo”, disse Orwell.

Segundo, o motivo de maior  preocupação era a autocensura de muitos. Mesmo não sendo proibido pelo governo britânico, as pessoas consideravam tabu reclamar e/ou questionar o modelo soviético. Isso fez Orwell escrever uma crítica inicialmente publicada no livro como prefácio.

“Não é exatamente proibido dizer isso ou aquilo, mas dizê-lo é uma coisa que ‘não se faz’, assim como na era vitoriana falar de roupas de baixo na presença de uma senhora era coisa que ‘não se fazia’.”

George Orwell, posfácio de “A Revolução dos Bichos”  

À época do lançamento, os intelectuais diziam que o livro não deveria ter sido publicado, pois era bobo e tedioso, um desperdício de papel. Argumento que incomodava Orwell. Para ele, não se deve dizer que um livro não pode ser publicado por não ser bom, “Afinal, vasta quantidades de lixo são impressas a cada dia.” afirmou o autor.

É best porque…

O livro é simples, direto, fácil de ser entendido por todas as idades. Inclusive, esse era um desejo do autor. O livro é atemporal e podemos fazer analogias até com situações e figuras do nosso cotidiano.

Uma questão levantada pelo autor (spoiler).

No final do livro, porcos e fazendeiros brigam à mesa “os bichos olhavam de um porco para um homem, de um homem para um porco e de um porco para um homem outra vez, mas já era impossível distinguir quem era homem, quem era porco”. Segundo Orwell, ele não teve a intenção de dizer que comunistas eram iguais a capitalistas, apesar de muitos leitores terem feito com essa interpretação.

Fica aí o questionamento. Falamos de dominações totalmente diferentes ou as correntes do capitalismo brilham mais que a do comunismo?

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *