Machado de Assis ganha os Estados Unidos

Essa semana, a terra do Tio Sam descobriu o que a gente já sabia há tempos: Machado de Assis (1839-1908) é genial. A editora Penguin Classics acaba de lançar, em inglês, o livro “Memórias póstumas de Brás Cubas” e a nova edição rendeu um artigo cheio de elogios na The New Yorker. (Artigo publicado em 2/06/20)

“É um dos livros mais espirituosos, divertidos e, portanto, mais vivos e sem idade já escritos. É uma história de amor – muitas histórias de amor, na verdade – e é uma comédia de classe, boas maneiras e ego, e é uma reflexão sobre uma nação e uma época, e um olhar inflexível sobre a mortalidade”, descreve o jornalista Dave Eggers.

Com o destaque da nova edição, os livros se esgotaram em apenas um dia. Pouco lido pelos americanos, Machado está cada vez mais famoso nos EUA. Essa visibilidade que o autor brasileiro ganhou pode abrir as portas para a divulgação da nossa literatura no mercado americano.

Deu orgulho, né minha filha?